SESIMBRA | 10 LOCAIS A VISITAR

A uma curta distância de Lisboa fica uma das vilas mais carismáticas de Portugal. Estes são os melhores locais para visitar em Sesimbra.
Vista nocturna
Sesimbra

A uma curta distância de Lisboa, atravessando o Tejo, fica um dos locais mais carismáticos de Portugal. A vila de Sesimbra sempre foi ligada ao mar e isso é perfeitamente visível nas suas tradições, nos seus monumentos, na sua cultura e até na belíssima arte de rua que se espalhou pela localidade nos últimos anos. Além disso, esta ligação ao mar é também particularmente visível na sua riquíssima gastronomia, onde o peixe de qualidade e o marisco são os elementos essenciais. De facto, Sesimbra vale uma visita apenas pela sua gastronomia, mas há muitos mais pontos de interesse para visitar. Desde logo, destacam-se as suas praias, muito procuradas no Verão e, obviamente, toda a beleza da Serra da Arrábida.

Arte Urbana
Sesimbra

Mas em Sesimbra é ainda possível visitar Igrejas com belíssimos azulejos, um castelo com vistas para o oceano e uma fortaleza de onde pode apreciar as praias circundantes. Há realmente algo de especial em Sesimbra e a melhor forma de o constatar é visitar esta carismática localidade da Península de Setúbal. Estes são os melhores locais para visitar em Sesimbra.


1. Castelo de Sesimbra

Classificado como Monumento Nacional em 16 de Junho de 1910, o Castelo de Sesimbra é o último dos Castelos sobre o mar, que chegaram, bem preservados, até aos nossos dias. As suas origens remontam ao século IX, período da ocupação muçulmana do território. Em 1165 é conquistado por D. Afonso Henriques, e em 1191 é perdido para os Almóadas. A sua reconquista definitiva dá-se por iniciativa de D. Sancho I, em 1199, monarca que atribui o primeiro foral à Vila de Sesimbra, então sediada no interior do monumento. Ao longo de toda a Idade Média, e dada a sua importância estratégica na defesa das fronteiras marítimas e terrestres do reino, o Castelo é alvo de inúmeras ampliações. A partir do século XV, com o desenvolvimento de actividades marítimas como a pesca ou a construção naval, na Póvoa Ribeirinha, a população vai-se sediando, progressivamente, junto à baía.

Castelo de Sesimbra

Em 1516, ano da Visitação de D. Jorge de Lencastre, Mestre da Ordem de Santiago, apresentava já evidentes sinais de abandono, que se foram acentuando ao longo dos séculos seguintes. O avançado estado de ruína do monumento acaba por ser travado entre 1933 e 1945, com as obras de conservação promovidas pela Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais. Actualmente, o Castelo de Sesimbra encontra-se sob gestão da Câmara Municipal de Sesimbra. É um monumento vivo, palco de inúmeras iniciativas de índole cultural. No seu interior localiza-se a Cafetaria de Santiago, o Centro de Interpretação do Património Rafael Monteiro, e duas exposições permanentes sobre a sua história. Disponibiliza um circuito museológico que permite ao visitante, de forma autónoma, usufruir dos diversos pontos de interesse do Imóvel.


2. Santuário do Cabo

Classificado como Imóvel de Interesse Público pelo decreto n.º 37728, de 5 de Janeiro de 1950, o Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel consiste num complexo arquitectónico civil e religioso único, que alia a monumentalidade do edificado à imaterialidade da devoção religiosa. As suas origens remontam, pelo menos, ao século XIV, a um documento da chancelaria de D. Pedro I, datado de 1366, que refere os caminhos de peregrinação a Santa Maria do Cabo. No entanto, de acordo com a tradição oral, a descoberta, no promontório, da imagem de Nossa Senhora por dois velhos da Caparica e de Alcabideche, que, em sonhos semelhantes, teriam sido avisados pelos Céu, terá ocorrido, somente, no ano de 1410. O século XV marca, pois, um amplo desenvolvimento do Santuário. Neste período é erguida a Ermida da Memória, bem como a primitiva Igreja.

Santuário do Cabo Espichel

A elevada afluência de peregrinos ao local, pautada pela constituição, em 1432, da Confraria de Nossa Senhora do Cabo, leva a que, entre 1701 e 1770, sejam erigidas as principais edificações que hoje compõem o complexo arquitectónico: Casa da Água; Igreja; Aqueduto; Mãe d’Água/poço Velho da Azóia; Poços; Casa da Lenha, Casa da Ópera; Hospedarias; Três Cruzeiros de Peregrinação e Cruzeiro de Chegada. Com as invasões napoleónicas, o culto entre em progressivo declínio, travado, contudo, por diversas obras de recuperação realizadas ao longo das últimas décadas. Actualmente, o culto no Santuário de Nossa Senhora do Cabo Espichel encontra-se vivo, nomeadamente através das celebrações dos círios de Azoia, Palmela e Sesimbra, cujas festividades se realizam nos meses de Março e Abril e Agosto e Setembro, respectivamente.


3. Capela do Espírito Santo dos Mareantes de Sesimbra

A Capela foi edificada no século XV como sede da Confraria do Espírito Santo dos Mareantes de Sesimbra, e possuía uma capela e um hospital, arruinados com o terramoto de 1755. O hospital foi encerrado e permaneceu a Capela até meados do século XX. De planta rectangular, e com fachada de estilo barroco, o edifício organizava-se no seu interior por dois pisos: a capela, no superior, e o antigo sprital (Hospital), no inferior, surgindo neste último grafitos parietais de embarcações datadas do século XVII-XVIII.

Capela do Espírito Santo dos Mareantes de Sesimbra

Foi classificada como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto-lei n.º 129/77 de 29 de Setembro, e em 2000, a Câmara Municipal de Sesimbra, em parceria com a Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais iniciou a sua recuperação. A intervenção ficou concluída